Quimioterapia: Mitos e equívocos sobre o tratamento de câncer

quimioterapiaHá certas ideias generalizadas sobre os efeitos colaterais da quimioterapia. Ela é considerada uma vilã para o tratamento do câncer e, embora cause efeitos colaterais, há muitos mitos envolvidos. O problema é que um equívoco sobre o câncer pode causar preocupação desnecessária, que complica o tratamento.

O médico oncologista do Hospital Angelina Caron, Dr. Jorge Fukushima, explica que o tratamento não é mais tão agressivo e que também nem todos os sintomas têm consequências negativas. “Esclarecer a população é importante para que os pacientes e familiares não sofram antecipadamente com situações que, talvez, nem ocorram”, diz.

Queda do cabelo – Um dos mitos em torno do tratamento do câncer é a queda dos fios de cabelo. Nem sempre isso vai ocorrer, pois, segundo o médico, tudo vai depender do tipo de medicamento e da intensidade da quimioterapia. Outra preocupação para aqueles que ficam completamente sem cabelo, ele volta a crescer com o tempo.

Náuseas e vômitos frequentes – O paciente pode ter estes sintomas antes, durante e depois do tratamento, mas nem todos provocam náuseas. Vai depender muito da medicação. A boa notícia é que hoje os médicos possuem uma série de medicamentos eficazes que irão diminuir esses sintomas.

Vida sexual – A vida sexual pode continuar, não há uma contraindicação para todos os casos. A falta de libido não é necessariamente pela quimioterapia, pode ser encadeada pelo estresse que o tratamento causa. No entanto, é fundamental respeitar os limites do corpo.

Atividade física – A quimioterapia causa um esgotamento, mas é importante que atividades físicas sejam realizadas, mas sem deixar o paciente exausto. Cada um tem o seu próprio ritmo e isso deve ser respeitado.

Perda de peso – Pode ocorrer a perda de peso dependendo do tratamento, mas também em alguns pacientes ocorre o inverso, há ganho de peso devido ao uso de algumas drogas, como os esteroides, que aumentam o apetite e retêm líquido.

Contato com os animais – Em casos específicos torna-se necessário o afastamento temporário devido ao baixo sistema imunológico do organismo. Mas, em muitas situações, o contato com os animais é benéfico e ajuda no tratamento.